Pages

  • RSS

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Considerações importantes sobre nada, realmente, relevante.

Eu sempre acreditei que eu fosse o tipo de pessoa mais covarde por ser como eu sou.
Ultimamente eu tenho olhado por aí.
E tenho visto as pessoas encontrando pares, se desfazendo dos mesmos, se contentando com relações superficiais cujo "Eu te amo" vem em menos de semanas, ou com relações onde a Lei do "Não tem nenhum tu, vai tu mesmo" sempre prevalece.
Tanta vontade de encontrar o amor...
Às vezes eu desejo ser como elas.
E me contentar com pouco assim.

Creio que a culpa seja minha por ter uma visão muito simplista das coisas.
Se gosta, fica junto.
Se não gosta, separa.
Se não está satisfeito como está, mude.
Ou talvez seja a terrível mania, que eu pensei até então, está controlada, de achar que todos precisariam enxergar assim, por que, afinal de contas, assim não é mais fácil?

Mas não.
As pessoas se envolvem em teias estranhas de relacionamentos cansativos e chulos, rotineiros e massantes, modorrentos e comuns.
Se não quer ter ninguém então fique solteiro e vá aproveitar a vida.
Mas se quer ter alguém, Aquele alguém, por que ter medo de ir atrás?
Pense bem: a chance de levar o NÃO é tanto quanto a de levar um SIM.
Se for não, ótimo. O mundo cai. Você chora por algumas semanas. Sofre incondicionalmente. Fica cético e desacreditado do amor, do sol que brilha, do vento que balança as árvores suavemente e blá blá blá.
[Qualquer semelhança não é mera coincidência]
E se for sim?
Oh. E se for sim??
Se não tentar, não tem como saber, isso é fato.
Talvez melhor do que o “sim”
O melhor de tudo é saber que não há mais dúvidas.
Fez-se tudo que havia pra fazer, lava-se as mãos e toca o barco, por que, você precisa explorar novos mares. Tem muita água pra lavar as mãos e um porto seguro esperando em algum lugar. Tem que ir em frente por que pra trás você conhece o caminho de có e salteando. E o que vem na frente é novo e, no mínimo, inesperado.

É como eu penso.
Essas coisas irrelevantes que eu sinto.
Mas, uma maneira direta de ver as coisas.
Sem família, tempo de relacionamento, medo, insegurança, orgulho ou vaidade.
Talvez, eu seja mais corajosa do que eu tenha imaginado.
Engraçado com as pessoas não sabem nada sobre elas mesmo
Inclusive eu, não?

11 comentários:

Karoline disse...

Como sempre: PERFEITO!!!!! ;)

Milena disse...

Verdadeiramente o dom de usar as palavras! Simplesmente.

Sandrinha disse...

Essa menina vaiiii loooongeee :P

adherbal disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
lulaluck7 disse...

bah... preciso carimbar meu post aki tbm....

se preocupe n q um dia c vai conseguir se entender XD...

adherbal disse...

Aninha concordo plenamente com vc.
+ esse seu texto so vem pra comprovar
que o seu destino e realmente ser freira.
E um fato determinado na aula de ingles,
nao tem escapatoria.

Aninha Gomes disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Tá bom, Dherba!
Se eu virando freira escapar desse mudno de putaria... Já fico feliz!

=*

Moonlight Tower Guard disse...

Aninha, PERFEITO!!.. Concordo com tudo que você escreve.. eu sinto isso sabe..
Eu realmente me prendo às suas palavras
QUERO MAIS! =D

adherbal disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Diego Tsunami disse...

concordo em genero, numero, grau, derivada, ipotenusa, vetor, matriz, com vc ninha :P hauahu...
se for pensar bem... o amor é feito o onibus chegando pra vc na parada, sempre vem outros e outros... msm forma é as mulheres :P ahuahuhuahau

Geivson Barros disse...

"Às vezes eu desejo ser como elas"

nunca deseje ser como essas pessoas... afimal, elas só estão se enganando no que fazem.
você não ama alguém porque esse alguém te ama. você simplesmente ama porque ama.

Postar um comentário